Skip to content

SIM … bem … s..sim … quero dizer … NÃO !

27/03/2011

Você já se pegou alguma vez respondendo um sonoro SIM (ou NÃO) a alguém e imediatamente depois se deu conta de que aquela resposta não expressa o que realmente você pensa? (… bem vindo ao time …)

Muito já falamos sobre assertividade aqui no BLOG (leia mais em Você sabe o que é assertividade ? ou Comportamento assertivo) e é incrível como se tem pesquisado na internet sobre o tema! O que é ótimo, indica que cada vez mais as pessoas se importam em aprender e em conseguir SER assertivas…

Voltando a situação comentada inicialmente, pode ter acontecido da resposta inicial nem mesmo estar conectada ao que seria a expressão da sua escolha, porque simplesmente nem você mesmo se permitiu o tempo necessário para saber o que pensa.

A excelente comédia Sim Senhor (Yes Man – 2009) com Jim Carrey retrata, de forma muito divertida diga-se de passagem, esse tema. Trata-se de um sujeito, Carl Allen interpretado brilhantemente por Jim Carrey, cujo comportamento, trabalho e problemas pessoais, o tornaram voltado apenas ao “não” e ao negativo, fazendo sua vida monótona, triste e sem perspectivas.

Mas, uma grande ficha cai a partir de um sonho, onde ele se vê morto no sofá. Seus amigos o encontram e não dão muita importância à sua morte (como se ele já andasse mesmo meio morto antes de morrer) e então ele resolve modificar sua vida…

Ele recebe um convite para participar de um culto de auto-ajuda, onde basicamente a idéia é dizer “sim” a tudo e a todos em qualquer situação. Vale aqui a referência de quão hilária é a cena onde o “guru” aborda Allen em plena palestra e consegue engajá-lo no compromisso de adotar a postura preconizada pela seita.

A partir daí, ele passa por situações prá lá de inusitadas e mesmo embaraçosas, mas que o fazem aprender outro tipo de comportamento e de emoções, mas que também o colocam como sujeito tangido pelos outros ao invés de sujeito de sua própria vida…

Eis então a grande sacada do filme e que podemos relacionar com o comportamento assertivo, quando  Carl se apaixona e percebe que os dois extremos são prejudiciais para si e para o outro. Percebe que haverá momentos do “sim” e outros do “não” e se propõe a essa nova maneira de comportamento, analisando a situação e tomando a decisão cabível para cada uma delas.

Enfim, o equilíbrio da assertividade mostra como é libertador, eficaz e o caminho melhor ao bem estar do que comportamentos enraizados e inflexíveis. As palavras de ordem são o auto-conhecimento, respeito e sobretudo coerência de escolhas para com uma base de valores pessoais.

.

Anúncios
6 Comentários leave one →
  1. Elaine Silva Ferreira Gonzaga permalink
    28/07/2011 13:19

    É difícil colocar em prática esta assertividade quando temos uma religião determinista, pq aí sempre penso “eu” quero assim, mas a “igreja” ensina que é melhor assim… Desta forma vamos sempre nos submetendo, e por mais paradoxal que sejá nos sentimos triste e alegres ao mesmo tempo… Aí viver é muito complicado…

    • Flávio Mesquita permalink*
      28/07/2011 14:03

      Sem entrar no mérito da questão religiosa, SEMPRE podemos contar com nosso livre arbítrio … Tudo é uma questão de escolha !

      Obrigado pela participação no BLOG ! continue com a gente …

  2. maria helena permalink
    05/01/2010 22:29

    Gostei da matéria e minha tendência é magoar as pessoa sem querer
    É sem querer, mas qdo percebo já é tarde. Abraços

    • Flávio Mesquita permalink*
      06/01/2010 13:16

      Oi Maria Helena,

      A sua percepção desta tendência já é um importante caminho percorrido. Se de fato isto acontece, talvez pudesse ajudar trabalhar de forma pró-ativa sobre essa questão … fazendo uma interpretação e análise da cadeia funcional que sustenta e reforça esse padrão. A partir desta compreensão, poderia existir um esforço de reestruturação cognitiva, alterando um tipo de “piloto automático” que se deflagra nessas situações e, assim, evitando que o seu comportamento venha a magoar as pessoas antes que vc se de conta como vc diz. Não sei que tipo de enfrentamento vc já tentou para alterar isso, mas fica ai uma sugestão de como isso pode ser trabalhado em terapia.

      Um abraço !

  3. Flávio Mesquita permalink*
    04/01/2010 21:01

    E com certeza vc não está sozinha nessa tendência Maria Cristina … isso é muito comum e até certo ponto reforçado pelo nosso padrão cultural, mas vc já tem um caminho importante percorrido que é justamente ter se apercebido desse padrão e daí pode intervir, se assim o desejar !

  4. Maria Cristina de Souza permalink
    04/01/2010 18:03

    Estou buscando o equilibrio, pois minha tendencia é a inassertividade ,por não querer magoar ou afastar as pessoas…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: