Skip to content

Um pouco mais sobre Yalom

14/01/2010

Uma das coisas que mais chama atenção ao ler qualquer livro ficcional de Yalom (ele também tem excelentes obras acadêmicas e de cunho teórico/técnico) é a sua maestria na construção de um personagem.

Esta sua característica sempre me fascinou desde que comecei a ler seus livros, mas recentemente ao ler sua última obra traduzida para o português, Vou chamar a polícia, tal característica foi elevada a níveis ainda mais altos, pela compreensão de uma teoria que ele compartilha com o leitor.

Yalom choca, em um primeiro momento, afirmando que é bem possível existirem personagens fictícios mais reais do que personagens reais… Péra aí ! Como é ? Eu posso me deparar com um personagem fictício em uma obra ficcional que consegue ser mais real do que um personagem realmente real em, digamos, uma biografia !?

Como assim ?

Passado o primeiro choque, pense : imagine que algum desconhecido seu pretendesse conhecer tudo de você a ponto de poder escrever sua biografia. Pesquisaria a partir de tudo aquilo que fosse acessível e pudesse dizer de você, tal como documentos, correspondência, fotografias, filmes, e-mails, etc.

Qual você acha que seria a precisão deste relato ? Esse estranho conseguiria alcançar a profundidade da sua personalidade ? Saberia dos seus segredos ? Conseguiria transmitir a outros uma imagem relevantemente acurada das suas mais altas pretensões, crenças, medos, fantasias e desejos ?

Agora, em contrapartida, pense em um profundo conhecedor da alma humana, um estudioso nas questões da existência, alguém que é apaixonado pelos processos humanos e imagine que ele utilizasse de todo esse seu saber para construir um personagem fictício em um contexto também fictício, mas cujas existências se baseassem coerentemente em tudo aquilo que é resultado do seu conhecimento sobre o homem …

Comparemos agora esses dois resultados hipotéticos : quem seria mais plausível e real no  sentido de estar afinado e coerente com suas respectivas fontes de inspiração ? O seu relato biográfico pretensamente real a partir daquilo que é público e manifesto da sua vida (ou de qualquer outra pessoa, diga-se de passagem !) ou o personagem fictício construído com cuidado e esmero para exemplificar o ser humano como categoria ?

Pense, por exemplo, que na construção do personagem fictício, o autor não precisa poupar a fonte biográfica de fatos ou características que possam ser potencialmente danosas e que, portanto, tenham a tendência de serem omitidas. E nem ao contrário, magnificar ou potencializar eventos que lhe sejam engrandecedores, caso essa seja a tendência do autor.

De fato, o personagem fictício pode ser construído no detalhe mínimo, positivo, negativo, degradante ou edificante, ao sabor da complexidade sem censura do sujeito humano em toda a sua alteridade e que pode ser ilustrada ricamente seja com o que for cabível na ótica do seu criador… e, o mais notável, isso não afasta a criação do real (como seria no caso da biografia), ao invés disso, a aproxima do real do humano enquanto categoria !

Talvez isso explique porque às vezes temos a impressão de que certos personagens de filmes ou livros são muito mais de “carne e osso” do que relatos biográficos de pessoas reais e notórias, cuja imagem criada em filme ou por escrito simplesmente não passa legitimidade nenhuma enquanto reflexo com valor realmente objetivo…

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. 13/10/2011 16:23

    Isso me remete a um caso interessante…

    Há algum tempo, quando começaram a chegar em nossas lojas os primeiros aparelhos televisores de LCD, estava com um amigo no shopping quando topamos pela primeira vez com uma máquina daquelas; fitamos o ecrã, imóveis, em silêncio, por alguns minutos, e então nos viramos e ele me disse: “Essa imagem é mais real do que a realidade!” – eu eu não pude contrariar.

    A esse tipo de fenômeno, talvez possamos denominá-lo de “hiper-realidade” (algo como um Surrealismo às avessas); enfim. Ainda não li esse livro do Yalom, só pretendo contribuir com um singelo brainstorming.

    Algumas definições de HiperRealidade:
    – “A simulação de algo que nunca existiu realmente” – Jean Baudrillard;
    – “O engano autêntico.” – Umberto Eco.

    Ou não!

    • Flávio Mesquita permalink*
      20/10/2011 10:05

      É interessante mesmo essa comparação !

      Abç

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: