Skip to content

Matéria sobre Psicossomática – Expresso Popular 05/10/09

10/11/2009

Captura de tela 2009-11-10 às 09.11.54

Reprodução do texto com nossa contribuição para facilitar a leitura :

Psicólogos orientam para a mudança

A psicóloga cognitivo- comportamental Patrícia Mantovani Neves explica que a pessoa deve fazer uma reflexão profunda e de autoconhecimento.

“É necessário começar a mudar a forma de pensar sobre as coisas: os pensa- mentos negativos e recor- rentes deverão ser substituídos por pensamentos positivos e saudáveis”.

Já o psicólogo cognitivo- comportamental Flávio Mesquita complementa que, muitas vezes, devem ser feitas mudanças com relação a hábitos alimentares, práticas de esportes, ingestão de bebidas, dro- gas ou tabagismo, relacionamento, capacidade de perdoar a si próprio e aos demais, entre outros.

“Às vezes, a dor de cabeça ou de estômago pode ser sinal de descontentamen- to por ter de enfrentar de- terminadas situações”.

Mas nem sempre é possível curar-se somente com pensamentos positivos. Em alguns casos, o acompanhamento médico é fundamental. A gravidade da doença é que dará o tom de como o tratamento deve ser conduzido.

“Sintomas investigados sem sucesso pelo viés fisiológico (do corpo) podem ser eficazmente tratados psicologicamente, mas a pessoa deve estar engaja- da em seu processo de cura e lançar mão de todos os recursos de que dispuser”, orienta Patrícia, lembran- do que o paciente deve procurar os métodos tradicionais de cura.

No Hospital do Câncer de São Paulo todo paciente passa por avaliação e acompanhamento psicoló- gico, obrigatoriamente. Até os familiares são in- cluídos nessa terapia.

E no caso de pessoas hipocondríacas (que sempre acham que estão com alguma doença e até duvidam dos médicos) ? Mesmo acreditando que cada caso é um caso, Flávio acredita que o hipocondríaco tem mais dificuldade em refle- tir e mudar pensamentos e comportamentos sem ajuda profissional.

“Às vezes, a pessoa nem se reconhece como hipocondríaca. Outro fator importante é firmar metas de enfrentamento, o que dificilmente acontece sem tratamento adequado”.

Anúncios
6 Comentários leave one →
  1. Mauro P. de Mesquita permalink
    08/12/2009 11:59

    Que assunto interessante vocês levantaram, assim o penso por ser convicto e me atrever a responder à pergunta inicial do jornal: A MENTE PODE CAUSAR DOENÇAS? Sim, convicto de que os seres viventes não são somente um corpo e que sua mente é a força mais poderosa de sua complexa estrutura psicossomática. Pessoalmente, creio que sim a mente é a origem, fonte e dona da energia criadora de todo o processo vivente. Assim acredito que na maioria dos casos a doença é resultado de da força do pensamento.
    Atenho-me à palavra Mente, para não entrar em tergiversações que seriam interpretadas como de cunho religioso, senão diria que quem pensa é o espírito, dono e responsável por todo o processo do viver.

    • Flávio Mesquita permalink*
      08/12/2009 14:07

      Com certeza Mauro. Pessoalmente eu vejo a psicossomática como sendo o braço da medicina, que sem perder o cunho da cientificidade demandada sobretudo por nossa cultura ocidental, consegue “flertar” mais de perto com questões menos tangíveis do que aquelas com as quais a prática médica está mais acostumada a lidar.

      É bem verdade que ainda se ouvem (e não é tão raro, infelizmente) verdadeiras “pérolas” de ditos profissionais da saúde que se permitem expressar sua percepção tosca e ultrapassada na forma de comentários do tipo “Você não precisa de terapia … tome o remédio direitinho e espere passar …” dito por um psiquiatra a uma portadora de Sindrome do Pânico (!) ou “Bem … se você acredita nesse tipo de coisa (terapia) … mal não irá fazer …” dito por um neurologista a outra paciente com quadro de ansiedade generalizada.

      Mas o fato é que os procedimentos médicos cada vez mais aceitam, de forma inquestionável, a necessidade de haver amparo psicológico a pacientes portadores de toda uma gama de patologias.

      O câncer é um dos exemplos mais evidentes, pois uma vez entendido como multideterminado, o tratamento apenas sintomático (seja ele quimioterápico, radioterápico ou via cirurgia) seria uma forma de intervir naquilo que já está manifesto no organismo do sujeito, mas faz-se necessário investigar e intervir nos fatores que propiciaram o surgimento mesmo do carcinoma, sob pena da recorrência da doença o que, infelizmente, é muito comum.

      Em resumo, creio que toda forma de tentar entender e intervir na existencia é apenas uma tentativa e, por si só, falha… mas não há como dar conta do todo. Compete a cada especialidade fazer o que melhor ela possa como uma forma de contribuição para uma rede de intervenções.

      Você falou em religiosidade. E trouxe a tona outro assunto de vital importância. O homem em sua complexidade não pode virar as costas para sua concepção espiritual e de trasncendência. Existem inúmeras pesquisas, com legitimidade cientifica, que apontam que a existência de uma crença no paciente, seja ela qual for, pode ser muito positiva na recuperação de doenças.

      A psicologia é eclética por natureza. Acata a multiplicidade do homem de forma incondicional e por isso evita entrar na seara da religiosidade de forma a não incorrer em desrespeito a uma ou outra crença, mas o que posso afirmar é que creio profundamente no poder da espiritualidade do sujeito e procuro sempre entender religião na sua concepção de re-ligar-se ao trasncendente, àquilo que foge às lentes míopes da ciencia enquanto a conhecemos.

      Um abraço

  2. Ana Paula permalink
    27/11/2009 00:53

    Quanto orgulho heim!!!! Parabéns meus queridos amigos!!!!

    • Patrícia Mantovani permalink*
      27/11/2009 12:19

      Obrigada Ana.
      Um grande abraço

  3. maria helena permalink
    18/11/2009 20:43

    Gostei bastante do artigo. Continuem assim . Parabéns!!

    • Flávio Mesquita permalink*
      19/11/2009 05:26

      Olá Maria Helena,

      Foi uma singela contribuição sobre esse assunto tão importante e por vêzes tão negligenciado: a psicossomática.

      Um abraço e obrigado pelo apoio!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: